top of page
Buscar

Diário de um eleitor confuso


Gonçalo Galvão Gomes

Cabeça de lista ao círculo Europa

nas eleições legislativas de 2015 e 2019


Com a eleição presidencial à porta, senti-me impelido a continuar com o tema das presidenciais. Desta vez, irei tentar colocar o sarcasmo e a maledicência no bolso (ou pelo menos, tanto quanto o mau feitio permitir-me), e junto com quem tem a amabilidade de dispensar o seu tempo de leitura, fazer uma espécie de raciocínio em voz alta, que me ajude (e talvez também ao leitor), a chegar a algumas conclusões sobre uma das questões semi-existênciais do momento: em quem votar na eleição presidenciais de 2021?


Para quem, como eu, acredita na democracia e na importância da escolha dos representantes, esta não é uma questão pouco relevante. Também não é por falta de conhecimento sobre os candidatos e sobre as candidaturas, porque a atenção que dou à política, peca mais por excesso, do que por defeito. E não, também não é por falta de escolha, porque a oferta é grande, tanto em termos de quantidade, como de diversidade ideológica.


Então por que razão é tão difícil escolher um candidato?


Para começar, as campanhas não estão a ser boas. É verdade que existem limitações e condicionamentos devido ao Covid-19, mas há no ar um espírito de descrença, que pode em parte ser explicado pela falta de confiança de alguns candidatos na vitória e no peso político e eleitoral do atual presidente, e também candidato. Em abono da verdade, ir a votos com Marcelo Rebelo de Sousa, é como andar ao soco com um campeão de boxe, em teoria tem-se sempre hipótese, mas o mais provável é acabar com a cara desfeita.


Outra dos problemas que me complica bastante a escolha, é ter candidatos que, ou não sabem (grave), ou mentem deliberadamente (ainda mais grave), sobre o papel do Presidente da República Portuguesa. Não me vou alongar sobre este tópico, que é extenso e traz-me à memória as aulas de introdução ao estudo do direito com o professor Marcelo Rebelo de Sousa, mas o Presidente da República não tem poder legislativo, ou seja, não redige e não propõe as leis (ou decretos-lei, propostas de lei, etc). O presidente promulga, assina, veta ou remete para o tribunal constitucional para análise, mas não substitui o parlamento e o seu poder legislativo. Isto significa que, muito do que os candidatos prometem, não é mais que palavras sem relevo e populismo.


Pegando na palavra populismo, aqui está outra das razões que torna difícil a escolha do candidato. Alguns candidatos optaram pelo populismo light, criticando os políticos e as carreiras na política, como se ser Presidente da República não fosse um cargo eminentemente político, outros, são populistas descarados, sendo que às vezes, chega a ser difícil perceber, se estamos a ouvir um candidato presidencial, ou a conversa numa tasca.


Havendo esta dubiedade em relação à escolha do candidato, vou então fazer o raciocínio inverso. Em quem é que eu não vou votar?


Pegando nos meus preconceitos ideológicos, começo por excluir o João Ferreira do PCP, porque jamais votaria num candidato comunista, e excluo o André Ventura do Chega, porque sendo emigrante, é no mínimo anedótico que votasse num candidato, cujo partido faz de sua bandeira a questão da imigração e o preconceito bacoco. Dizer tudo e o seu contrário, não muda a realidade: se nos países onde vivemos, estas pessoas fossem governo, a nossa vida seria muito mais difícil.


Por falta de simpatia, excluo a Marisa Matias, candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda. Não por falta de simpatia para com ela, mas com facto de o Parlamento Europeu servir de trampolim para todas as aventuras políticas nacionais. Incluiria aqui o João Ferreira do PCP (se não o tivesse já excluído) pelas mesmas razões, este, ainda para mais, acumula ao cargo de deputado europeu em Bruxelas, o de vereador na Câmara Municipal de Lisboa. Há quem tenha o dom da omnipresença.


Por achar que não tem decoro institucional para o cargo, excluo a Ana Gomes, candidata independente.

A Ana Gomes, que até foi uma boa eurodeputada, tornou-se nos últimos anos, numa espécie de estereotipo do taxista de Alfama. Um dos exemplos disso, foi a defesa pública que fez do Rui Pinto, uma pessoa que está a ser acusada, entre outras coisas, de ter entrado indevidamente no email de um juiz. Independentemente da culpabilidade ou da inocência do arguido, até porque não é esse o tema, não quero ter uma presidente que acha legitimo que se faça justiça na praça pública. É um facto que ela não era candidata na altura, mas já tinha responsabilidades políticas e exigia-se outro tipo de postura.


A escolha de não votar no atual presidente, é quase um imperativo moral.


O constrangimento do espaço, não me deixa escrever tudo o que quero, ou tudo o que devo, mas há uma razão que o torna inelegível e passarei a explicar.


Tenho também que fazer uma declaração de interesses, pois, tenho estima pessoal pelo homem e pelo professor, porém, pouca simpatia pelo político.


O Tiago Mayan diz que, Marcelo “foi um presidente que abdicou de o ser” e eu acho que a frase resume o mandato. O pior de tudo, é que não abdicou de o ser por falta de capacidade, porque Marcelo é um indivíduo brilhante, nem tão pouco por falta de apoio popular, que nunca lhe faltou. Abdicou de ser presidente, porque a fama e a popularidade se tornaram mais importantes do que o cargo.


Quem costuma ler o que escrevo, não ficará surpreendido, por me ouvir dizer que considero o atual governo um dos piores da história da democracia portuguesa.


E para este governo, que a história se encarregará de colocar onde pertence, precisávamos de ter tido um presidente sem medo. Alguém capaz de tomar decisões difíceis, mesmo que impopulares, e mesmo que lhe custassem parte do eleitorado do PS. O país podia viver sem um Marcelo eleito à primeira volta, mas demorará décadas a recuperar de um governo, sem controlo e com políticas à deriva.


O Marcelo do segundo mandato, que já não precisa da reeleição, será um presidente diferente, e António Costa, terá muito menos tolerância e muito menos margem de manobra, mas é no Marcelo presidente eleito em 2016, que devemos basear o nosso voto de hoje, e esse, não foi digno de o merecer.


Concluído o processo deliberativo de rejeição, sobram 3 opções: Vitorino Silva do RIR, Tiago Mayan da Iniciativa Liberal e voto em branco/nulo.


Começando pelo primeiro.


Tenho uma enorme simpatia pessoal pelo Vitorino Silva, e até aceito, que poderia acrescentar algo como deputado, no parlamento nacional. Não creio, no entanto, que a sua contribuição como Presidente da República, fosse positiva para o país, ou até, para ele próprio. É um cargo muito institucional e com um grau de ação muito específico, e o “Tino”, que é uma chapada no classismo que nunca deixou de existir neste país, pode ajudar Portugal de outras formas, nomeadamente, a nível local ou, como referi, no parlamento nacional.

O Tiago Mayan fez uma campanha com pouco fulgor, e fico com a impressão de que a Iniciativa Liberal dá pouca relevância a este candidato e a esta candidatura. Pontos positivos: é o único que não excluí votar (convenhamos que é importante), teve uma clara evolução e hoje, está muito mais consistente do que estava há um mês (os últimos debates foram relativamente interessantes), parece-me que entende bem o papel do presidente e foi o primeiro candidato a responder à entrevista do Portugal Post, o que mostra que dá relevância aos portugueses da diáspora. Pontos negativos: Está sistematicamente a dizer que é o único candidato que não é político (o populismo light que falei no início), não é um tipo muito carismático, o que na política é defeito e apesar de não o ter excluído, também não me gera muito entusiasmo.


Conclusão, o meu voto será, por exclusão dos restantes, em Tiago Mayan, candidato apoiado pelo partido Iniciativa Liberal.


Votos de bom ano para todos os nossos leitores!


101 visualizações

コメント


bottom of page