Buscar

Ó tu que fumas


Rita Sousa Uva

Ainda esta manhã me veio ao pensamento esta pitoresca frase do ó tu que fumas. Ia eu do quarto para a sala passando pela cozinha e espreitando pelo cinzento do céu, que quando não chove, neva, se não neva, faz uma ventania uivante e a maior parte das vezes, temos as três ao mesmo tempo. Mas adiante, que a Alemanha nunca foi conhecida pelo seu clima ameno e temperatura suave, tão pouco no Inverno.


Portanto, é andar para a frente, não te prendas no que podia ser e no que foi,o que importa é o que é agora e esta frase que se insinua logo pela manhã e não te larga pode bem trazer alguma sabedoria inconsciente de não te apercebes e que se calhar até vale a pena partilhares.


- nunca sabemos quando e como as palavras fazem eco no outro e estabelecem uma ponte de comunicação, de empatia, um sentimento de partilha, uma certeza de que afinal não estamos sozinhos e vale sempre estender a mão, nunca se sabe o que se recebe.


Bocejando, fazendo flexões imaginárias de braços e pernas e rodando o pescoço por causa dos torcicolos da noite, fui acordando lentamente, para não assustar o cérebro com tiradas geniais ou intrigantes e poder assim tomar o pequeno almoço em paz.


Enquanto o café borbulha no filtro e beberico água, continuo a minha cogitação que não pretende ser original, é apenas o voar do pensamento nas asas douradas do tempo, que ainda não está para grandes aventuras, mesmo as simples, que são sempre as mais divertidas.


- a liberdade de irmos por aí feitos lebres atrevidas calcorreando as ruas, ir a ginásios ou nadar em piscinas – não que o fizesse regularmente, mas podia fazê-lo se assim me apetecesse, é a abismal diferença dentre liberdade assim-assim e liberdade com restrições –

dizia eu assim à solta enquanto relembro o tomar de um cappuccino ou de um latte machiato para quem tem saudades do galão, sentando à mesa feito gente e saboreando os jornais sem ter de preencher questionários nem declarar a que horas chegou e com quem estava, como foi há uns meses, sim essa liberdade que se nos fugiu ge entre os dedos e hoje passa por sonho, miragem ou fantasia -


A memória de que ainda nem há um ano ainda entravas em lojas do que fosse, sem plano, sem horário, sem termine e sem compra pré feitavai ficando cada vez mais diluída. Pode mesmo acontecer que esta forma de vida que hoje nos parece estranha nunca venha a ser outra vez parte da vida quotidiana e nos acomodemos, adaptemos a novas formas de convívio, de socialização, de educação, de debate. Tudo está a mudar em várias direcções e a segurança e a previsibilidade esfumam-se num nevoeiro casa-casa-casa, onde fazes tudo e onde se espera que continues a ser feliz, produtivo, criativo e paciente e sem ficares agressivo ou embrutecido.

Foto: Mufid Majnun - Unsplash

De maneira que para te ires mantendo à tona vais-te socorrendo do teu patromónio histórico, linguístico, cultural e o que houver à mão para conseguires entrosar-te nesta digitalização forçada e disfuncional. Forçada, porque não tens alternativa se não tratar de quase tudo na vida com um computador, nas suas mais variadas formas e através de portais electrónicos, auto estradas do virtual e estradas regionais do vazio burocrático.


Desfuncional, porque neste neste grande país que nos acolhe a todos, este centro nevrálgio da Europa que durante tanto tempo viveu da reputação e proveito de ser organizado, eficiente, super competente, pouco propenso ao erro negligente, ao improviso, ao desenrrascanço se revela um calinfas, encostado à esquina do café, fumando e debatendo com outros calinfas fumosos o que fazer.


Na maior crise económica e social vivida desde o pós guerra, vivemos uma ambiência parecida com a entrada no sanatório de Hans Castorp. Incrédulo primeiro, o nosso burguês de Hamburgo vai para a montanha para se curar de uma leve pieira e melhorar a saúde acaba por ficar lá sete anos, paralisado no tempo e na acção enquanto o mundo à sua volta dse desmorona e se prepara para uma catástrofe.


Este esmorecer alemão contemporâeno surpreende pela moleza contraditória. Abrem-se gigantescos centros de vacinação, testa-se como nunca - precises ou não - anunciam-se centros de testes gratuitos por todo o lado, discutem-se planos de desconfinamento que não se concretizam, numa grande cacofonia de declarações pomposas que alternam entre o ufano sem motivo ou a profecia auto realizada de que já estamos ou vem aí ou se calhar já veio e já foi a famosa terceira onda enquanto todos, nativos ou não, de background emigrante ou não, nos perguntamos: ó tu que fumas, sim tu aí, que estás no Governo e és Ministro de Pastas Importantes e tu aí, disfarçando que queres ser Chanceler, diz lá uma coisa: por que diabo a vacinação está tão lenta?


16 visualizações