Sindicato da Construção denuncia discriminação de portugueses na Alemanha

O Sindicato da Construção de Portugal defendeu hoje a intervenção das autoridades portuguesas para travar a discriminação, nomeadamente salarial, dos trabalhadores do setor emigrados na Alemanha, que diz ganharem menos de metade que os operários alemães.

“Vamos já pedir a intervenção das autoridades portuguesas - quer do secretário de Estado das Comunidades, quer do inspetor-geral do Trabalho - e das autoridades congéneres estrangeiras, porque estes trabalhadores trabalham 13 a 14 horas por dia e, por exemplo, na categoria de condutor/manobrador, no mesmo local de trabalho, um alemão ganha 205 euros por dia (14,70 euros/hora) e o português ganha 84 euros por dia”, afirmou o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, em declarações à agência Lusa.

De acordo com o sindicato, “a Alemanha é o país onde há mais irregularidades em relação às leis laborais”, sendo que esta situação afeta “cerca de 5.000 trabalhadores portugueses” do setor da construção que ali trabalham e “pode vir a atingir mais de 10.000, porque estão a ir muitos trabalhadores portugueses para a Alemanha, onde há muitas obras quer públicas, quer privadas”.

Contudo, acrescentou, os problemas estendem-se a outros países europeus, nomeadamente a Bélgica.

 Lusa