Portugal cria protocolo com município francês para apoiar comunidade portuguesa e quer fazer o mesmo em Osnabrück

O Governo português assina hoje um protocolo com a autarquia de Soufflenheim (França) para proporcionar atividades culturais e desportivas e facilitar a relação com emigrantes portugueses, uma experiência que quer replicar na Alemanha e Reino Unido.

O protocolo será assinado hoje à tarde, em França, pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, a presidente da Câmara de Soufflenheim, Camille Scheydecker, e o presidente da Associação Portuguesa de Soufflenheim, Mário Salgueiro Pereira.

“Será o segundo protocolo com um município estrangeiro que procura recriar o equivalente aos Gabinetes de Apoio ao Emigrante que temos nos municípios portugueses”, descreveu aos jornalistas o governante.

Em março, o executivo português estabeleceu o mesmo tipo de cooperação com as autoridades de Pontault-Combault, também em França, cujo plano de ação será estabelecido no dia 04 de junho, “numa grande festa, com 15 mil portugueses”, adiantou.

O objetivo da iniciativa é “criar uma cultura institucional nos municípios onde há grandes comunidades portuguesas para uma relação mais afetiva, mais aberta, mais tolerante”, explicou Carneiro.

Com o protocolo, os municípios comprometem-se a “abrir as suas instalações para atividades culturais, recreativas ou desportivas realizadas pelos portugueses”.

Por outro lado, também se pretende garantir uma articulação com as associações de portugueses para que, “perante pedidos de licenciamento, requerimentos ou pedidos de informação, possa haver uma outra celeridade ou até alguma desburocratização, se for possível, na relação formal, administrativa com os portugueses que aí vivem”, acrescentou o secretário de Estado das Comunidades.

“Criar essa cultura de relação dos portugueses com os municípios no estrangeiro é um objetivo muto interessante, porque no poder local estão muitas das responsabilidades que interferem com a vida dos portugueses lá fora”, comentou.

O Governo prevê estabelecer em breve protocolos semelhantes em Osnabrück, na Alemanhae também no Reino Unido.

 

PP com Lusa