Gala com políticos e celebridades homenageia Aristides de Sousa Mendes em Nova Iorque

Atores, políticos e descendentes americanos de sobreviventes do Holocausto participam, a 29 de outubro, em Nova Iorque, numa gala que vai homenagear o cônsul português Aristides de Sousa Mendes, que em 1940 salvou milhares de pessoas do Holocausto.

O evento, que tem o nome "Um brinde à liberdade", é uma iniciativa da Fundação Sousa Mendes, com sede nos EUA, e terá como mestre de cerimónias o ator Michel Gill (das séries "House of Cards" ou "Mr. Robot"), que é filho e neto de refugiados que receberam vistos processados pelo cônsul português.

A gala irá homenagear três pessoas relacionadas com a causa dos refugiados: o congressista de Nova Iorque Jerry Nadler, um crítico da recente ordem executiva de Donald Trump contra pessoas de países muçulmanos; Eva Fogelman, ativista, que nasceu num campo de refugiados e é autora do livro "Conscience & Courage: Rescuers of Jews During the Holocaust"; e Maggie Favretti, fundadora da organização "Students for Refugees", que ajuda refugiados na sua adaptação aos EUA.

"Ela exemplifica na atualidade a mesma compaixão que Sousa Mendes mostrou pelos refugiados", disse a Fundação Sousa Mendes em comunicado sobre Maggie Favretti.

O embaixador português nos EUA, Domingos Fezas Vital, e a atriz Jayne Atkinson (das séries "24" e "House of Cards") serão os convidados de honra do evento, que acontece no Museum of Jewish Heritage, em Manhattan, com vista para a Estátua da Liberdade.

Durante a gala, será apresentada uma parte da opereta "Circular 14: The Apotheosis of Aristides", autoria do americano Neeli Bruce, que estreou em 2015.

Será ainda feito um brinde em honra de Eduardo Propper de Callejón, um diplomata que emitiu vistos no consulado espanhol de Bordéus. O seu filho, Felipe Propper, e a descendente de uma família salva pelo espanhol farão o brinde.

O preço mais baixo de um bilhete para a gala são 275 dólares, cerca de 233 euros. O lucro reverte para Fundação Sousa Mendes, que desde 2010 tenta localizar todas as famílias salvas pelo cônsul português.

"A fundação tem trabalhado para preservar o legado de Aristides de Sousa Mendes e para ligar as famílias de refugiados com este capítulo importante da sua história. Este evento vai ajudar a continuarmos este trabalho", explicou a organização à Lusa.

Então cônsul de Portugal em Bordéus, Aristides de Sousa Mendes passou vistos que permitiram salvar milhares de pessoas do Holocausto em 1940, desobedecendo às ordens de António de Oliveira Salazar, que de Portugal emanava circulares que impediam a passagem de vistos e a entrada dessas pessoas no país.

 Lusa