Cidadãos portugueses escrevem Carta Aberta de apoio ao ex embaixador em Berlim

Carta Aberta - 2 de Abril de 2017 Um Embaixador cujo lema sempre foi: «Vamos fazer, tudo é possível!»

Foto: PP
Foto: PP

O Embaixador Luís de Almeida Sampaio iniciou o seu mandato em Berlim em 2012. E pela comunidade portuguesa na Alemanha, Luís de Almeida Sampaio, logo passou a ser conhecido como o Embaixador da Mudança. E foi assim porque reuniu interesses comuns, juntou sinergias existentes e como facilitador promoveu e estabeleceu complementaridades entre os portugueses na Alemanha. Todos o lembram como o Embaixador que não descansava, que cumpriu a sua missão na Alemanha com total entrega, em busca da excelência. Por isso lhe estamos gratos. E dizemos porque é verdade.

 Naquele ano de 2012, é bom ter presente, Portugal sofria o enorme impacto de estar intervencionado pela Troika. A imagem de Portugal na Alemanha era a de um país pobre, endividado, que gastava além dos seus recursos. E o que fez então este Embaixador? Desde logo se lhe notou uma grande energia no sentido da mudança. Contra a corrente, começou a passar a mensagem de que Portugal é uma história de sucesso. Empenhou-se em criar uma dinâmica que promovesse a diplomacia económica, tendo sempre uma preocupação de expandir a presença cultural portuguesa neste país. Promoveu relações públicas, empenhou-se na criação de redes de contactos, na promoção dos produtos portugueses através de uma política concertada e de uma estrutura criada para o efeito. A AICEP foi colocada em acção articulada com as instituições tradicionais do Ministério dos Negócios Estrangeiros sob a alçada do mesmo ministro.

Desde o início que juntar e articular sinergias e instituições foi sempre o leitmotiv da actividade deste Embaixador. Quis constituir um paradigma para outros postos diplomáticos portugueses com uma equipa a funcionar em plena articulação. Tinha uma agenda aberta, transparente, que mostrava vontade de articulação e que era do conhecimento de todos os funcionários da embaixada.

Num país onde a vida económico-financeira se desenvolve descentralizadamente (e não de forma centralizada em Berlim), o Embaixador esteve em constante movimento. Esta atitude, poder-se-ia pensar, terá sido muito dispendiosa para Portugal, mas o certo é que tal foi evitado por medidas de contenção de custos. O Embaixador viajava num automóvel a diesel, com contrato de leasing, e as suas deslocações em trabalho, por toda a Alemanha, em noventa por centro dos casos, eram feitas sem pernoitar em hotéis e trabalhando no automóvel. Sendo que tais deslocações frequentes do Embaixador permitiram-lhe comunicar pessoalmente com as autoridades locais, as empresas, as universidades, estabelecer contactos sociais e culturais, criar maior proximidade (em vez da distância) com as diversas comunidades portuguesas espalhadas pela Alemanha. 

A descentralização das actividades foi, na verdade, uma estratégia importante de Luís de Almeida Sampaio. A título de mero exemplo, importa destacar que foi ele que iniciou a rotação dos festejos oficiais do Dia de Portugal (10 de Junho) por outras cidades.

Em 2014 foi celebrado o 50º aniversário do Acordo de Recrutamento de trabalhadores portugueses, celebrado em 1964 entre Portugal e a Alemanha. O programa de celebrações em Hamburgo, que se prolongou por vários dias, foi a maior manifestação da presença portuguesa neste país. Mais uma vez, esta visibilidade de Portugal e dos portugueses na Alemanha foi conseguida pelo empenhamento do Embaixador Luís de Almeida Sampaio em todas as fases da organização deste grande evento que, incansavelmente, liderou, suscitando a mobilização das sinergias existentes na comunidade portuguesa na Alemanha.

Luís de Almeida Sampaio é considerado na Alemanha como um embaixador aberto aos projectos da comunidade que serviu, projectos que beneficiaram os portugueses neste país e em Portugal. Não esquecemos que a sua primeira reacção era sempre: vamos fazer, tudo é possível!

 

Alemanha, 2 de Abril de 2017

 

Um Grupo de Portugueses na Alemanha