Entrevista: Embaixador de Portugal em Berlim, João Mira Gomes

"A imagem de Portugal neste país deve-se à nossa Comunidade”

 Esta é a primeira entrevista que o novo Embaixador de Portugal concede ao nosso jornal. Tendo iniciado as suas funções há cerca de seis meses, o Embaixador João Mira Gomes debruça-se, ainda que de forma concisa, sobre aspectos que interessam a todos. Com esta entrevista fica-se a saber o pensamento do actual Embaixador sobre a sua postura face às questões da comunidade. Cabe, portanto, ao leitor avaliar as intenções do nosso principal diplomata na Alemanha

 


Senhor Embaixador, nos contactos que já teve com os portugueses  encontrou uma comunidade atenta, participativa e integrada social, cultural e politicamente ou mais, por assim dizer, passiva e preocupada consigo própria?
Os contactos com a Comunidade Portuguesa têm ocupado uma parte importante da minha agenda nestes primeiros seis meses na Alemanha. Tanto nas minhas visitas às diversas áreas consulares, como na recente deslocação do Senhor Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tenho encontrado cidadãs e cidadãos portugueses bem integrados  e activos em áreas diversas da sociedade alemã. Por outro lado, também tenho constatado a diversidade etária e a distinta inserção profissional, neste particular fruto da nova vaga de emigração portuguesa. Aliás, a este propósito, o mais recente censo populacional levado a cabo pelas autoridades alemãs mostra que a Comunidade Portuguesa atingiu o valor mais elevado de sempre na Alemanha, com 133 929 nacionais registados a 31.12.2015.

 

De todos os portugueses com quem já contactou quem (ou o que) lhe merece, para já, um sublinhado especial?

Seria injusto estar a destacar um Português ou uma Portuguesa em especial, até porque só conheço uma pequena parte da Comunidade na Alemanha. Mas, de todos os contactos que já tive e de todas as visitas que já realizei, sempre senti um enorme orgulho em ser o representante diplomático de Portugal na Alemanha.

 Também não tenho dúvidas que a imagem de Portugal neste país muito deve à nossa Comunidade e ao percurso pessoal e profissional de todos e de cada um dos Portugueses que aqui residem e trabalham. Como também essa imagem beneficia dos nossos empresários que aqui investem, dos nossos jovens que aqui estudam ou trabalham, dos nossos artistas que aqui se dão a conhecer, dos nossos profissionais nas mais variadas áreas e da forma hospitaleira como acolhemos os nossos amigos alemães quando visitam Portugal.

 

Tanto quanto sabemos, tem tido contactos com alguns membros destacados da comunidade em que lhe são colocadas questões que interessam e preocupam a generalidade da Comunidade, tais como ensino, serviços consulares, etc.

Que resposta tem para as preocupações manifestadas pela comunidade?

A Embaixada e os postos consulares na Alemanha – a Secção Consular em Berlim e os Consulados-Gerais de Portugal em Hamburgo, Düsseldorf e em Estugarda – estão atentos às preocupações manifestadas pela Comunidade. Em particular, todos temos procurado encontrar respostas adequadas embora nem sempre as ideais. No caso concreto da rede consular, a modalidade das permanências consulares têm sido uma forma de ir ao encontro das necessidades dos elementos da Comunidade. O Ensino do Português é outra área à qual estamos muito atentos para procurar inverter a tendência da diminuição gradual do número de alunos dos cursos ministrados pelo Instituto Camões. Neste caso particular, lançámos um conjunto de acções dirigidas às autoridades alemãs para obter uma maior valorização e reconhecimento do estudo da Língua Portuguesa enquanto língua de herança.

 

Existem portugueses que gostariam de sentir  uma aproximação e colaboração entre as entidades diplomáticas porque julgam que podem contribuir não apenas para a projecção da comunidade como para os interesses mais gerais de Portugal neste país. Falo, por exemplo, da ASPPA, de algumas iniciativas sediadas em Berlim, de grupos de reflexão, dos conselheiros, das associações dos empresários, dos portugueses eleitos.... Como aproveitar o potencial da comunidade para projectar interesses do país?

A Comunidade Portuguesa na Alemanha tem um enorme potencial. Para isso é preciso ter um retrato tão actualizado quanto possível sobre a composição dessa mesma Comunidade. Por essa razão, a Embaixada, em conjunto com os Consulados-Gerais e também com outros actores, como os Conselheiros das Comunidades, lançou um projecto denominado “Rostos da Comunidade” com o objectivo de identificar precisamente aqueles que são os novos rostos da Comunidade e de, em conjunto com os, que já são nossos conhecidos, alargar as redes de contactos, e de influência, de Portugal na Alemanha.

 

O seu antecessor fez questão de descentralizar as celebrações do Dia de Portugal por áreas consulares através de grandes eventos populares. Pretende dar continuidade a estas iniciativas ou será encontrado um novo figurino para as celebrações do 10 de Junho?

As comemorações do Dia de Portugal em Düsseldorf, Hamburgo e Estugarda foram grandes êxitos de promoção da imagem de Portugal. Este ano iremos regressar a Berlim, optando por um modelo mais adaptado às características desta cidade. Estamos a ultimar os contactos para o programa das comemorações do Dia de Portugal, sendo que irá privilegiar a cultura aliada ao talento e à juventude e ainda à promoção do turismo de Portugal. Em 2017 iremos de novo descentralizar e, eventualmente, procurar localidades na Alemanha para além daquelas que já acolheram o Dia de Portugal em anos anteriores.

 

A área de Frankfurt já teve um Consulado-Geral, um Vice-Consulado e, mais recentemente, um Cônsul Honorário entretanto exonerado.  São sabidas as aspirações dos portugueses residentes naquela importante região em, pelo menos, ver anunciado um Consulado Honorário que represente o país. Será que a comunidade vai ver essa aspiração concretizada?

A rede consular na Alemanha e as respectivas áreas de jurisdição são matéria em avaliação, embora num contexto de restrições orçamentais. Todos nós gostaríamos de reforçar o número de postos consulares na Alemanha, designadamente através da reabertura do Consulado-Geral em Frankfurt, mas devemos estar conscientes dos compromissos assumidos por Portugal em matéria de redução do défice público e que implicam um controle muito apertado sobre a despesa. No imediato, a prioridade será para o reforço dos meios humanos e informáticos nos Consulados-Gerais, com uma atenção especial para o caso de Estugarda, para uma ligeira expansão das permanências consulares e para uma avaliação muito cuidada sobre a questão da representação consular em Munique através da figura de um Cônsul Honorário.

 

Que planos de viagens e de contactos com a comunidade tem para os próximos tempos?

Nos próximos meses irei prosseguir o meu plano de visitas aos diferentes Estados Federados da Alemanha, com destaque para a Baixa-Saxónia, a Renânia-Palatinado, a Baviera e Bremen.

 

Que mensagem gostaria de deixar aos portugueses na Alemanha?

No início das minhas funções tive a oportunidade de dirigir uma mensagem à Comunidade através das páginas do Portugal Post. Seis meses volvidos, ao ler essa mensagem, revejo-me em tudo o que na ocasião procurei transmitir. Gostaria, porém, de aproveitar esta entrevista para reafirmar que nós na Embaixada, e também nos Consulados-Gerais, pretendemos reforçar a relação de proximidade com a nossa Comunidade. Acredito que essa será a melhor fórmula para promover Portugal na Alemanha.

MS

 

(Entrevista publicada na edição em papel, em Maio 2016)