Remessas de emigrantes até Setembro nos PALOP ultrapassam valor de 2012, exceto Angola

As remessas até setembro dos emigrantes portugueses em todos os países lusófonos já ultrapassam os envios feitos durante todo o ano de 2012, exceto Angola, de acordo com o boletim estatístico do Banco de Portugal.

Segundo os números do regulador financeiro, divulgados hoje, o total das remessas dos emigrantes em Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Moçambique totalizou 7,9 milhões de euros em 2012, mas nos primeiros nove meses de 2013 o montante enviado pelos emigrantes para Portugal já vai em 8,1 milhões de euros.

Os dados divulgados pelo Banco de Portugal, mais uma vez, não permitem algumas comparações diretas, porque apesar de ser dado o valor relativo às remessas dos emigrantes e dos imigrantes até setembro, não é apresentado o valor apenas para esse mês no caso dos países lusófonos, o que impossibilita a comparação direta homóloga.

Ainda assim, é possível constatar que Angola foi o único país onde as remessas dos expatriados portugueses ainda não ultrapassaram o valor de 2012: os emigrantes nacionais enviaram para Portugal 270 milhões de euros em 2012 e nos primeiros nove meses deste ano o valor está nos 218 milhões.

Em sentido inverso (trabalhadores angolanos em Portugal), foram enviados quase 13,3 milhões de janeiro a setembro, ao passo que em 2012 o valor foi de 15,3 milhões.

Nos outros países lusófonos, os valores são mais aproximados: assim, os emigrantes portugueses em Cabo Verde enviaram no total do ano passado 2,38 milhões, e de janeiro a setembro deste ano enviaram 2,35 milhões.

Na Guiné-Bissau, os números mostram que nos primeiros nove meses de 2013 o valor já foi maior do que no total do ano passado: 246 mil euros contra 384 mil de janeiro a setembro.

Em Moçambique, os 5,003 milhões de euros enviados no ano passado estão prestes a ser ultrapassados, já que até setembro os emigrantes naquele país tinham enviado para Portugal 4,955 milhões de euros.

Em São Tomé e Príncipe, os 338 mil euros de 2012 foram largamente ultrapassados pelos 494 mil euros enviados de janeiro a setembro.

No total, as remessas de trabalhadores portugueses no estrangeiro subiram 10,8% em setembro, acelerando para os 212 milhões de euros, ao passo que o envio de dinheiro por estrangeiros em Portugal subiu 5,4%, para 46,3 milhões de euros.

De acordo com o boletim estatístico do Banco de Portugal, divulgado hoje, os emigrantes nacionais tinham enviado para Portugal, de janeiro a setembro, 2,19 mil milhões de euros, ao passo que os imigrantes em território nacional tinham enviado para os seus países de origem um total de 410 milhões de euros.

Em setembro, a França liderou a lista dos países emissores de divisa por parte dos trabalhadores, com 57,6 milhões de euros, o que representa uma subida de 4,2% face a setembro do ano passado, superando a Suíça, país de onde os emigrantes portugueses enviaram 50,3 milhões, subindo 11,8% face ao mês homólogo de 2012.

Olhando em sentido inverso, constata-se que os emigrantes brasileiros são, de longe, os que mais dinheiro enviam para o seu país: os dados mostram que os brasileiros enviaram 23,4 milhões de euros em setembro, representando uma subida de 29,8% face a setembro do ano passado.

 

MBA // VM

Lusa/Fim