Eleições para o Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) são a 6 de Setembro.       Listas da Alemanha à conquista dos cidadãos eleitores

A marcação das eleições para o dia 6 de Setembro tem merecido manifestações de descontentamento por parte dos interessados em apresentar candidaturas devido ao processo acontecer no pico do Verão. Com os eleitores em férias, os candidatos irão ter dificuldades em afirmar as suas propostas numa campanha eleitoral que pode não mobilizar os eleitores. Note-se que as eleições em processos anteriores para este órgão tiveram sempre uma participação eleitoral muito fraca. Em 2008, ano das últimas eleições para o CCP,  a Alemanha tinha um pouco mais de 10.000 portugueses recenseados, destes votaram apenas 655 eleitores para o CCP. Se pensarmos que as eleições foram em Abril, um mês em que toda a gente está disponível, facilmente podemos adivinhar como será a participação eleitoral a seis de Setembro, quando as pessoas ainda estão na ressaca das férias de Verão.

Recorde-se que as eleições para este órgão são presenciais. As mesas de voto para o acto eleitoral funcionam em cada posto consular ou nas sedes das organizações não governamentais que, por reunirem as condições adequadas, tenham sido aceites através de candidatura junto dos consulados.

Nas eleições de Setembro, a Alemanha está dividida em dois círculos eleitorais (norte e sul) e elegerá quatro conselheiros: dois por Berlim, Hamburgo, Düsseldorf e os restantes dois pelo círculo de Estugarda.

As listas devem ser compostas por quatro elementos: dois fixos e dois suplentes.

Até ao fecho desta edição, o PP  tinha tido conhecimento de cinco listas nos dois círculos. As listas concorrentes são encabeçadas por elementos conhecidos da comunidade: Alfredo Stoffel, actual conselheiro, é o primeiro da lista “Voz da Comunidade”, Mirele Costa, professora, Fernando Genro, actual conselheiro, e Manuela Marques, ex-funcionária consular em Osnabrück, compõem esta lista que no boletim de voto surge como lista .

A segunda lista, que concorre também pelo norte da Alemanha, tem o nome de „Comunidade Solidária“ e é encabeçada por Nelson Rodrigues, também este ex-conselheiro e assistente social da Cáritas. Esta lista apresenta ainda aos eleitores em segundo lugar  Bruno Martins, profissional de Seguros, residente em Hamburgo. Em terceiro, a lista „Comunidade Solidária“ apresenta o jovem Diogo Carreira,  bancário e membro do Conselho Pastoral de Münster. A seguir, António Horta, residente em Gelsenkirchen, e personagem prestigiada da comunidade na área consular de Dusseldorf, completa a proposta de candidatos que a “Comunidade Solidária” propõe aos eleitores.  

Entretanto, até à hora do fecho desta edição, algumas listas tinham começado a divulgar o programa. Os interesses da Comunidade nos seus mais diversos domínios são preocupações de ambas as listas.

A lista “Voz da Comunidade” refere a “Promoção do Ensino da Língua e da Cultura Portuguesas nos moldes previstos no art.º 74.º da Constituição da República Portuguesa.


Incentivar uma rede consular moderna e dinâmica ao serviço das comunidades.


Apoio a uma política social activa, da comunidade para a comunidade.


Dinamização e apoio do movimento associativo e das suas estruturas democraticamente eleitas.


Incentivar a “participação cívica” da comunidade portuguesa.

Fomentar a criação de condições que garantam uma melhoria da informação jornalística e da programação radiofónica e televisiva dos programas destinados às comunidades portuguesas e que tratem de temas prioritários para as mesmas.

Informação continua  on-line”, são os temas de um programa que a  lista encabeçada por Alfredo Stoffel pretende conquistar o voto dos eleitores.

Por sua vez, a lista “Comunidade Solidária” também aponta o melhoramento dos serviços e da rede consular como uma preocupação. Esta lista coloca em debates questões ligadas ao ensino, associativismo; questões sociais, rede consular e participação cívica e política.

Esta lista fez chegar ao PP um resumo do programa com o qual pretende apresentar-se aos leitores.

“Melhorar a rede consular e reivindicar o aumento de recursos humanos e da qualidade do atendimento; promover um ensino do português no estrangeiro  com qualidade  e  exigir o fim do pagamento da propina que tem afastado muitos alunos; reforçar o associativismo, procurando sanar a crise com que se tem debatido nos últimos anos através de iniciativas mais apelativas para os jovens e programas de apoio social aos idosos e aos emigrantes recém-chegados. 

Aumentar e melhorar a qualidade do apoio social, tendo em conta a actual desregulação do mercado de trabalho  e  o fluxo da nova emigração.  Sugerir ao estado português a criação de bolsas de apoio social e através da internet e das associações”, são algumas das intenções da lista “Comunidade Solidária”

Uma terceira lista também concorrente pelo círculo do norte da Alemanha apresenta-se ao eleitorado sob o mote “Comunidade entre Gerações” encabeçada por Manuel Machado. 

Esta lista enviou ao PP um programa de cinco  pontos com pedido de publicação:

„• Escola em língua Portuguesa -Utilizar a língua Portuguesa não só como Língua Materna, mas conseguir integrá-la nas escolas alemãs como língua estrangeira.

• Redes Consulares - Estabelecer uma maior proximidade entre os Consulados e as populações, utilizando para tal as antenas e as permanências consulares.

Necessidade de criar um gabinete de Relações Humanas – Informar e Ajudar!

• Associações - As associações, foram durante muitos anos um elo de ligação à língua e a cultura portuguesa. Nos últimos anos estão em declínio acentuado. É preciso mudar de rumo! Cativar as novas gerações para estes locais que tanto nos dizem. Algumas das formas, pode passar por maior abertura à sociedade Alemã e pela divulgação das iniciativas através das redes sociais.

• As Missões Católicas - As Missões Católicas são, hoje em dia, um pilar fundamental na nossa Comunidade, pois prestam apoio aos emigrantes de menor formação ou mais desprotegidos socialmente. A nova onda de emigração não são só académicos.

•Empresários - Promover o intercâmbio entre as associações de empresários da Alemanha com os empresários portugueses.

A título de exemplo veja-se os encontros mundiais de empresários portugueses anuais em Portugal”.

Na área de Estugarda surge uma lista encabeçada por José Loureiro, seguido de Nelson Campos, dois elementos ligados ao movimento associativo. “Comunidade em Movimento” é o nome desta lista que também tem Maria do Céu Campos como primeira suplente e Miguel Francisco como segundo suplente desta lista..

Chegou-nos informação sobre uma segunda lista candidata pelo círculo eleitoral do sul, constituída por Luís de Freitas, gerente bancário em Frankfurt, Renato Fontes, técnico de qualidade de Calw, Carla Moura, funcionária hospitalar de Estugarda e Francisco Costa de Estugarda.

O próximo CCP elegerá oitenta membros que representarão as comunidades portuguesas no mundo e será o órgão de aconselhamento das comunidades junto do Governo.


Nota: Na versão em papel deste artigo, o PP trocou o nome à candidata da lista “Voz da Comunidade” Mirele Costa.  

Em  vez de Mirele Costa, o nome correcto, escrevemos  Mirelle Neto.

Mirele Costa está em segundo lugar da lista “Voz da Comunidade” e não  em terceiro como incorrectamente escrevemos no mesmo artigo.

À visada e aos nossos leitores deixamos aqui as nossas desculpas.

Redacção PP