Alemães organizam cordão humano em protesto contra ataques a abrigos de refugiados

Vários centenas de pessoas formaram neste domingo um cordão humano em Vorra, no sul da Alemanha, em protesto pelos recentes ataques incendiários de provável cunho xenófobo contra três edifícios da cidade para receber em breve refugiados.

A corrente humana em protesto contra a xenofobia e a extrema-direita, formada em torno dos três edifícios que ficaram completamente inabitáveis, foi montada logo depois de uma missa solidária na qual o pastor protestante da cidade, Björn Schukat, afirmou que "Vorra se uniu ainda mais nos últimos dias".

 

"Nós, em Vorra, não nos deixamos dobrar", assinalou o religioso, que ressaltou que a cidade continua disposta a comprometer-se com a ajuda aos refugiados.

Os incêndios começaram por volta das 22h45 de quinta-feira em um restaurante desocupado, um celeiro e um edifício residencial desabitado desta cidade bávara de 1.700 habitantes, próxima a Nuremberg, que tinham sido melhorados para abrigar refugiados .

Nas paredes foram pintadas cruzes suásticas e mensagens xenófobas como "Não aos refugiados em Vorra".

A Policia Federal de Investigação Criminal (BKA) registou nos três primeiros trimestres do ano 86 ataques xenófobos contra centros de abrigo de refugiados, mais que os contabilizados em 2012 e 2013 juntos.

Segundo o as autoridades federais para a Proteção da Constituição, um dos três serviços secretos germânicos, a extrema direita na Alemanha conta com quase 22 mil seguidores, dos quais dez mil estão "dispostos a utilizar a violência", publicou o "Welt am Sonntag".

O temor dos políticos é que o crescente número de solicitantes de asilo na Alemanha alimente uma nova onda de xenofobia no país.

Em 2014, o número de pedidos de asilo foi de cerca de 200.000, 57% a mais que no mesmo período de 2013,

A Alemanha foi cenário no início dos anos 90 de vários atentados xenófobos em cidades como Solingen, Mölln, Rostock e Hoyerswerda.

 

EFE