Filme "Os Maias" vai representar Portugal em prémios no México

O filme “Os Maias – Cenas da Vida Romântica”, de João Botelho, foi escolhido pela Academia Portuguesa de Cinema, para representar Portugal, em 2015, nos prémios Ariel, atribuídos pela Academia Mexicana de Artes e Ciências Cinematográficas, foi hoje anunciado.

 

“Os membros da Academia Portuguesa das Artes e Ciências Cinematográficas (Academia Portuguesa de Cinema) escolheram o filme 'Os Maias', de João Botelho, para representar Portugal na edição de 2015 dos Prémios Ariel como candidato a Melhor Filme Ibero-americano da Academia Mexicana de Cinema”, refere um comunicado hoje divulgado pela academia portuguesa.

Os vencedores da 57.ª edição dos prémios Ariel serão anunciados a 26 de maio do próximo ano.

Adaptação do romance "Os Maias", de Eça de Queiroz, o filme estreou-se nos cinemas a 11 de setembro.

De acordo com os dados mais recentes do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), “Os Maias” já foram vistos, desde a sua estreia, por 101.625 espectadores, obtendo uma receita bruta de bilheteira de 511.572,51 euros.

Feita a estreia comercial em 20 salas, João Botelho decidiu levar o filme a outros cinemas do país, que têm menos acesso à produção cinematográfica portuguesa, e contactar de perto com os públicos escolares, uma vez que o romance de Eça de Queiroz faz parte dos programas curriculares de Português.

Até fevereiro, João Botelho - ou um dos atores do elenco - andará com o filme em digressão pelo país, tal como o realizador fez com "O Filme do desassossego", a partir de "O livro do desassossego", de Bernardo Soares/Fernando Pessoa.

"Os Maias - Cenas da vida romântica" terá ainda uma versão em série televisiva, a estrear na RTP, em 2015.

A produtora Ar de Filmes tem assegurada também a estreia do filme no Brasil, país co-produtor.

O filme teve um orçamento de 1,5 milhões de euros e, do elenco do filme, fazem parte cerca de 50 atores, entre os quais Graciano Dias, a atriz brasileira Maria Flor, Pedro Inês, João Perry, Maria João Pinho, Adriano Luz, Rita Blanco, Hugo Mestre Amaro e Pedro Lacerda.

O barítono Jorge Vaz de Carvalho dá voz a Eça de Queiroz, o narrador.

Para João Botelho, o romance queirosiano, que narra a vida de três gerações de uma família da burguesia no século XIX, assenta "como uma luva" no Portugal contemporâneo.

Lusa