Número de trabalhadores portugueses em Espanha estabilizou no último ano

O número de trabalhadores portugueses em Espanha era no final de agosto de 39.154, praticamente idêntico ao que se registava no mesmo mês de 2013 (39.291), segundo dados oficiais hoje divulgados.

Desde o início do ano o número de trabalhadores portugueses em Espanha aumentou em 1.789, o que representa um crescimento de 4,78%, segundo os dados do Ministério do Emprego e Segurança Social espanhol.

Este crescimento inverte a tendência que se verificou nos últimos anos, especialmente desde o início da crise em 2008, quando o número de imigrantes portugueses a trabalhar em Espanha caiu praticamente para metade.

Só em 2013 o número de imigrantes portugueses a trabalhar em Espanha caiu quase 8%.

Apesar do aumento total desde o início deste ano, em termos mensais o número de imigrantes a trabalhar até caiu - menos 200 do que em julho, com uma redução de 0,51%.

Essa redução mensal é menor do que a redução em termos globais no número de imigrantes de todos os países que estão a trabalhar em Espanha: menos 17.941 (-1,12%) em agosto para 1.582.823.

A comunidade de trabalhadores portugueses é já a quinta entre as de cidadãos da UE - depois da Roménia (267,8 mil), Itália (69,5 mil), Reino Unido (51,8 mil) e Bulgária (50,1 mil) - representando 6,17% do total de imigrantes da UE.

Em 2008 os portugueses representavam cerca de 11 por cento dos trabalhadores da UE em Espanha.

Globalmente, do total de imigrantes a trabalhar em Espanha no final de agosto, seis em 10 pertenciam a países não comunitários, com destaque para as comunidades marroquina (177 mil), chinesa (91 mil), equatoriana (77 mil) e a boliviana (63 mil).

De referir que a comunidade chinesa ultrapassou nos últimos meses a comunidade equatoriana como a segunda maior extracomunitária.

 

Lusa