PS: António Costa em Paris defende mobilização de comunidades ao serviço da economia

O candidato às eleições primárias do PS António Costa defendeu a necessidade de mobilizar as comunidades portuguesas no estrangeiro ao serviço da economia nacional, classificando os emigrantes como "embaixadores" de Portugal.

António Costa falava à Agência Lusa, a partir de Paris, onde visitou, na qualidade de candidato às eleições primárias socialistas, o empreendimento Paris-Ásia do grupo Saint Germain, liderado pelo empresário português Carlos Matos.

O projeto, disse, é "um exemplo de como as comunidades portuguesas têm de ser mobilizadas ao serviço da nossa economia, não só como fonte de depósitos, não só como fonte de investimento em Portugal mas também como excelentes canais de escoamento para a exportação dos produtos portugueses".

"E estes cinco milhões de portugueses no mundo são cinco milhões de embaixadores que nós temos que mobilizar", defendeu, considerando que constituem uma "alavanca" da economia nacional.

António Costa destacou que o empreendimento, próximo ao aeroporto Charles de Gaulle, "vai ser uma grande plataforma de entreposto comercial" e "um grande veículo de dinamização da economia nacional" e das exportações.

Segundo destacou o socialista, "grande parte" dos materiais de construção necessários à construção do empreendimento serão adquiridos em Portugal.

António Costa, que jantará com militantes socialistas e elementos da comunidade portuguesa em Paris, justificou a visita afirmando que "era muito importante motivar a participação ativa de todas as comunidades portuguesas neste momento de escolha política", referindo-se às eleições internas de 28 de setembro.

A votação ocorrerá não só no território nacional mas também junto das comunidades portuguesas onde existam estruturas organizadas do PS, como é o caso de Paris, sublinhou.

António Costa defendeu que é "fundamental" que "toda a comunidade se sinta parte do país", propondo para isso o "reforço da rede consular" e "incentivar o seu investimento em Portugal".

"Isso é algo que podemos e devemos fazer e implica um trabalho de proximidade que é necessário reforçar", acrescentou.

António Costa e o secretário-geral socialista, António José Seguro, disputam eleições primárias para a escolha do candidato do PS a primeiro-ministro no próximo dia 28.

Lusa