Estudantes contam história de repúblicas de Coimbra em visitas guiadas gratuitas

Foto: J.F. Almeida, cortesia
Foto: J.F. Almeida, cortesia

Moradores da República dos Galifões, cansados de guias turísticos a contarem uma história "desatualizada das repúblicas", decidiram organizar visitas guiadas por aquelas casas, na Alta de Coimbra, em que também falam dos problemas atuais.

Mário Gomes, a morar há três anos na República dos Galifões, ouvia os guias a passarem pela casa e a darem "informações completamente desatualizadas e com uma visão antiquada sobre as repúblicas".

As visitas gratuitas, assinaladas num quadro preto à entrada dos Galifões, pretendem "dar uma visão mais aberta sobre a pluralidade das repúblicas e a sua forma de viver", onde também há espaço para se falar dos "atuais problemas que muitas enfrentam com a Lei do Arrendamento".

A visita começa todos os dias às 16:30, na República dos Galifões, a única onde há uma visita ao interior da casa. O grupo passa depois pela Associação Académica de Coimbra, onde aproveita para falar da Crise Académica de 1969, desloca-se a repúblicas na Praça e no Bairro Sousa Pinto, mostra a Universidade de Coimbra, aproveitando para contar a intervenção do Estado Novo, visita a Sé Velha e as repúblicas que funcionam na Alta de Coimbra.

Durante o roteiro, "fala-se das histórias das repúblicas, dos problemas dos estudantes, da vida quotidiana e da relação das repúblicas com os vizinhos", avançou.

A ideia surgiu de Edgar Ramos, estudante brasileiro a viver há cerca de um ano nos Galifões, que, ao visitar "países do Leste Europeu, encontrava visitas guiadas gratuitas que iam contra o roteiro turístico simples e que apresentavam algo temático".

Em conjunto com dois repúblicos que passam o verão nos Galifões, decidiu desenhar um roteiro "em que não esteja apenas retratada a Universidade, mas também as repúblicas".

"Ao vivermos aqui, já vinham pessoas tirar fotografias à república, pediam informações e perguntavam coisas sobre a casa. Querendo ou não, já estávamos habituados", recordou Edgar Ramos, contando que para a construção da visita guiada foi feita "alguma pesquisa", sendo também partilhado "o conhecimento da vivência" em Coimbra.

Segundo o estudante, o que desperta mais interesse "são as repúblicas", sublinhando que já fizeram de guias a famílias, casais e jovens, de diferentes nacionalidades, como russos, franceses, alemães ou canadianos.

Durante a visita, reparam que os turistas "gostam de conhecer este roteiro histórico" e com histórias, frisou Edgar, sendo para os estudantes também uma forma "de praticar o inglês".

As visitas guiadas começaram a 04 de agosto e os estudantes esperam prosseguir com a iniciativa até ao início das aulas, em setembro, informaram.

 

Lusa