Curta-metragem luso-brasileira participa no 64.º Festival de Cinema de Berlim

A curta-metragem luso-brasileira "Fernando que ganhou um pássaro do mar", de Felipe Bragança e Helvécio Marins Jr., foi seleccionada para o Festival Internacional de Cinema de Berlim, que se realiza em fevereiro, anunciou hoje a Agência da Curta-Metragem.

A película luso-brasileira junta-se às curtas-metragens portuguesas "As rosas brancas", de Diogo Costa Amarante, e "Taprobana", de Gabriel Abrantes, selecionadas para a competição oficial da Berlinale, que decorrerá de 06 a 16 de fevereiro.

O filme de Felipe Bragança e Helvécio Marins Jr. será exibido na 9.ª edição do Forum Expanded, uma secção paralela ao Festival, que este ano tem como mote a questão "O que sabemos quando sabemos onde algo está?".

Nesta secção da 64.ª edição do festival, que tem início no dia 05 de fevereiro, serão exibidas cerca de 50 obras de 20 países de todo o mundo.

Segundo o comunicado da Agência da Curta Metragem, “’Fernando que ganhou um pássaro do mar’ parte de um diálogo imaginário entre Portugal e o Brasil, numa pequena cantiga luso-brasileira. Fernando divide seu tempo entre um café da vizinhança e a pequena casa em que vive no Porto”.

“Do Brasil, recebe um pequeno presente que lhe faz imaginar o Paraíso. A história é inspirada em uma das personagens do último trabalho de Helvécio Marins Jr., ‘O Canto do Rocha’, filmado em 2012, no Norte de Portugal”, acrescenta a agência.

Quanto às duas produções portuguesas, ambas em estreia mundial, integram a lista de 25 filmes, de 21 países, escolhidos para a competição oficial, com o vencedor a ser escolhido por um júri que integrará o programador Nuno Rodrigues, cofundador do Festival Curtas de Vila do Conde e da Agência da Curta-Metragem.

"As rosas brancas", sobre memória, perda e morte, é o quinto filme de Diogo Costa Amarante, depois da ficção "Down here" (2011) e dos documentários "In January, perhaps" (2009), "We have legs/Time flies" (2008) e "Jumate/Jumate" (2007), todos eles premiados.

A curta-metragem, de vinte minutos, conta com co-produção dos Estados Unidos, onde o realizador fez estudos de cinema.

"Taprobana", de Gabriel Abrantes, é uma co-produção entre Portugal, Sri Lanka e Dinamarca, descrita como uma comédia que acompanha a lua-de-mel do poeta Luís Vaz de Camões com Ti-nan-men, uma chinesa por quem se apaixonou, no Oriente, quando escreveu "Os Lusíadas".

Gabriel Abrantes, artista plástico e realizador, é autor de filmes como "Zwazo" (2012), "Palácios de Pena" (2011) e "A History of mutual respect" (2010).

A Berlinale abrirá com "The grand Budapest Hotel", de Wes Anderson.

À competição internacional de longas-metragens, em disputa pelo Urso de Ouro, concorrem, entre os títulos já divulgados, além do novo filme de Wes Anderson, "Aimer, boire et chanter", de Alain Resnais, e "The Monuments Men", de George Clooney.