Embaixada de Portugal na Suíça sem dinheiro para pagar fotocópias de professores

O Sindicato dos Professores nas Comunidades Lusíadas (SPCL) afirmou hoje que a embaixada de Portugal na Suíça não tem dinheiro para pagar as fotocópias usadas pelos docentes em Chaux-de-Fonds, no cantão de Neuchâtel.

A informação, divulgada pelo SPCL em comunicado, foi confirmada à Lusa por Jean-Luc Kernen, diretor da Escola Collège des Forges, em Chaux-de-Fonds.

O responsável afirmou ter recebido na semana passada uma comunicação da embaixada de Portugal, através da secretaria do departamento de Justiça, Segurança e Finanças de Neuchâtel, acerca de uma fatura de fotocópias no valor de 541 euros.

Datada do dia de 14 novembro 2013, a fatura, a que a Lusa teve acesso, refere-se a 13.331 fotocópias efetuadas entre janeiro e junho 2013, cujo preço unitário sem IVA é de 0,05 francos suíços.

De acordo com a fonte, a comunicação indicava que o preço da fatura era elevado e que as autoridades portuguesas não estavam em condições de pagar e também perguntava se era possível retirar os cartões de fotocópias aos professores e suprimir as fotocópias.

"Eu interpretei isso como um pedido de retirar os cartões aos professores, mas é-me muito difícil devido à importância de uma fotocopiadora no trabalho dos professores (...) não é a minha responsabilidade anunciar este tipo de coisa (...) não imaginava fazer isso no lugar da embaixada", comentou o diretor à Lusa.

No seu comunicado, o SPCL questiona o uso de "dois milhões de euros obtidos com a taxa de frequência, sendo que a maior receita veio precisamente da Suíça, se já não há verba sequer para fotocópias" e critica a sugestão de suprimir os cartões de fotocópias.

Lusa

Kommentar schreiben

Kommentare: 0