“A Gaiola Dourada” recebido com sala cheia e aplausos em São Paulo

O filme "A Gaiola Dourada", do realizador franco-português Ruben Alves, foi recebido com sala cheia e aplausos pelo público da 37.ª Mostra de Cinema de São Paulo, na sua primeira exibição na cidade, na noite de quinta-feira.

Um dos espectadores chegou a pedir ao realizador que fizesse "A Gaiola Dourada 2", após o fim da projeção. Durante o filme, o público alternou momentos de riso com outros de emoção, envolvido na história de uma família portuguesa que vive em França há décadas, mas recebe uma herança e a oportunidade de voltar a Portugal.

"Estive contente com a sala cheia, pois nunca se sabe como cada público vai perceber o filme. Mas ele tem uma coisa de universal, uma história de amor, de família e de emigrantes, com a qual pessoas do mundo inteiro se podem identificar", disse Ruben Alves hoje à Lusa.

O filme, que será exibido mais duas vezes durante a mostra, estreará no circuito comercial brasileiro no dia 10 de janeiro, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Em Portugal, a produção estreou em agosto e é a campeã de bilheteira do ano, com perto de 735 mil espetadores e uma receita bruta acumulada de 3,778 milhões de euros, segundo dados do Instituto do Cinema e Audiovisual.

Segundo o realizador, o filme já estreou em mais de dez países, e os seus próximos destinos serão Macau, Hong Kong, Austrália, Nova Zelândia, Panamá, Chile, Venezuela e África do Sul.

Nos Estados Unidos, "A Gaiola Dourada" será projetada no Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque, numa apresentação especial em abril.

Alves afirmou que a existência de uma comunidade portuguesa significativa nos Estados Unidos e na Venezuela pode ajudar no sucesso do filme nesses países. Além disso, a nova onda de emigração, devido à crise económica, também aproxima a produção do público.

"Se calhar, o tema que eu fiz para falar da emigração nos anos 1960 e 1970, para falar dos meus pais, está muito atual", disse o realizador, que nasceu em Paris, filho de portugueses.

O sucesso da produção pode influenciar no próximo filme de Alves. O novo trabalho, no qual começará a trabalhar após o Natal, deverá ser novamente uma comédia que aborda de maneira ligeira temas profundos. Entretanto, o realizador disse não ter decidido se falará novamente de Portugal.

"Se continuo com isso [a tratar de Portugal], vou ficar como o realizador ‘francês-português', como um carimbo. Ao mesmo tempo, tem um público à espera disso, entre os portugueses espalhados pelo mundo. Não podemos ir somente por esse caminho, teremos de pensar em algo para conectar as ideias", disse Alves.

 

FYB // HB

Lusa/Fim

Kommentar schreiben

Kommentare: 0